quarta-feira, 29 de abril de 2020

Tempo, viagens e filmaças

Pegando no post de ontem, levo o meu faro detectívico para os meandros da 7ª Arte...

O realizador e argumentista Oriol Paulo deixou-me muito bem impressionado com o primeiro filme que vi dele: Contratiempo (2016). Original, argumento muito bem esgalhado, história interessante, bons actores, realização cuidada e um final que achei genial, quase me fez lembrar o filme de Bryan Singer The Usual Suspects (1995), com aquele final tipo estaladão no focinho!

Fui explorar o espanhol e a sua obra no imdb e dei com outros filmes bem cotados. Apercebi-me que o filme Durante La Tormenta (2018) também estava na Netflix e eu e a minha companheira de filmes decidimos vê-lo.

Passei o filme todo com comentários do tipo "está bom, mas isto cheira-me a um filme que já vi...", "epá, está muito parecido!", "não acredito que isto seja plágio, só pode ser um remake ou uma espécie de tributo", "que cena marada, a ideia de base e os filmes são iguais!"... ou seja, tive de me calar quando do outro lado do sofá saiu disparado um "ou te calas ou deixo de ver o filme contigo e termino sozinha amanhã!". E calei-me, pois!

Ontem, consegui convencê-la a ver o Frequency (2000) e foi ela a passar o filme todo a comentar que estava igual, que era incrível o espanhol ter feito isto, como é que seria possível, etc. e tal...

Pois, que depois de ler dezenas de críticas online, parece que não é plágio coisa nenhuma e sim um tributo a Frequency e a outros time travelling movies como Back To The Future, The Butterfly Effect (2001), Donnie Darko (2004) e afins.

Em suma, o filme do espanhol está bem esgalhado mas deixa muitas pontas soltas e só espero que o Contratiempo não se revele ser, também, um tributo qualquer e não uma obra original...!!

terça-feira, 28 de abril de 2020

Música, quarentena e coincidências

Até pode ser coincidência e não plágio, mas epá...





Seja como for, ambos os temas são bonitos e o "tuga" está interessante dado o contexto.

domingo, 26 de abril de 2020

Trump, personagens e coelhos

Só há uma personagem comparável ao Trump... o coelhinho da Duracell!

...and going and going and going and going and going and going...


sábado, 25 de abril de 2020

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Trump, desinfecção e gente estúpida

Esta história do Trump referir, numa conferência de imprensa, que os americanos deveriam desinfectar-se com Raios UV ou produtos de limpeza comuns... dá todo um novo sentido e relevância à frase:


Alguém que cale esse atrasado mental ou coloque um aviso em tudo o que ele diz e escreve ou vão ter problemas maiores e mais graves do que a Covid-19 naqueles lados.

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Quarentena, comezainas e sentidos manhosos

Estar fechado em casa por causa da Covid-19 até nem é chato, há, de facto, coisas piores!

Cá em casa temos apostado nos cozinhados e evoluído bastante nas comezainas e nos petiscos. O problema é que entre as alergias, que me deixam com pouco olfacto e, consequentemente pouco paladar, e as provas constantes do que se vai cozinhando, levando a colher de pau à boca (sim, não há cá instrumentos de silicone nesta casa!!) com a comida muito quente, fico derreado porque a comida me sabe toda ao mesmo.

Lá bom aspecto tem, mas sabor... pouco!!

segunda-feira, 16 de março de 2020

domingo, 15 de março de 2020

Pessoas, Natureza e afinação

Tal como num concerto, em que muita gente que assiste desafina a acompanhar os músicos e a grande maioria das pessoas canta bem e o todo afina (imperfeitamente) na perfeição, acredito que nestas alturas de crise, desafios e até de improviso, a humanidade vai conseguir encontrar o sincronismo, a verdadeira solidariedade, partilha e companheirismo e o mais do que necessário e urgente equilíbrio.

O mundo já precisava de algo que nos ajudasse a "afinar" com a Natureza.

Há males que vêm por bem... há que ter esperança e ser positivo, sempre!

sábado, 14 de março de 2020

Universo, Natureza e Humanidade

Na onda da partilha de textos interessantes, pertinentes e úteis, aqui fica mais um...

“Acredito que o Universo tem a sua maneira de equilibrar as coisas e as suas leis quando estão viradas do avesso. O momento que vivemos, cheio de anomalias e paradoxos, dá que pensar. Numa altura em que as alterações climáticas causadas por desastres ambientais chegaram a níveis preocupantes, primeiro a China e depois tantos outros países veem-se obrigados ao bloqueio. A Economia colapsa, mas a poluição diminui consideravelmente. O ar melhora; usam-se máscaras, mas respira-se.

Num momento histórico em que algumas ideologias e políticas discriminatórias, com fortes referências a um passado mesquinho, estão a reativar-se em todo o planeta, chega um vírus que nos faz perceber que, num instante, podemos ser nós os discriminados, os segregados, os bloqueados na fronteira, os portadores de doenças. Mesmo que não tenhamos culpa disso. Mesmo que sejamos brancos, ocidentais e viajemos em classe executiva.

Numa sociedade fundada na produtividade e no consumo, em que todos nós corremos 14 horas por dia na direção não se sabe muito bem de quê, sem sábados nem domingos, sem feriados no calendário, de repente chega o “parem”. Fechados, em casa, dias e dias. A fazer contas com o tempo do qual perdemos o valor. Será que ainda sabemos o que fazer dele?

Numa altura em que o acompanhamento do crescimento dos filhos é, por força das circunstâncias, confiada a outras figuras e instituições, o vírus fecha as escolas e obriga a encontrar outras soluções, a juntar a mãe e o pai com as crianças. Obriga a refazer família.

Numa dimensão em que as relações, a comunicação, a sociabilidade se processam principalmente no “não-espaço” do virtual, das redes sociais, dando-nos uma ilusão de proximidade, o vírus tolhe-nos a verdadeira proximidade, a real: que ninguém se toque, nada de beijos, nada de abraços, tudo à distância, na frieza do não contacto. Até que ponto dávamos por adquiridos estes gestos e o seu significado?

Numa altura em que pensar no próprio umbigo se tornou regra, o vírus envia uma mensagem clara: a única saída possível é através da reciprocidade, do sentido de pertença, da comunidade, do sentimento de fazer parte de algo maior, de que cuidamos e que pode cuidar de nós. A responsabilidade partilhada, o sentir que das nossas ações depende não apenas o nosso destino mas o de todos os que nos rodeiam. E que dependemos das deles.

Por isso, deixemo-nos da caça às bruxas, de perguntar de quem é a culpa ou porque é que tudo isto aconteceu, e perguntemos antes o que podemos aprender com isto. Creio que temos todos muito para refletir e fazer. Porque para com o Universo e as suas leis, evidentemente, temos uma grande dívida. Explica-nos o vírus, com juros muito altos.”

sexta-feira, 13 de março de 2020

Coronavirus, Covid-19 e Serviço Público

já há algum tempo que aqui não venho e, apesar de achar que o sentido de humor é sempre importante e até essencial em tempos de crise - desde que não seja mandar bocas por "dá cá aquela palha!" - hoje entro logo a matar com coisas sérias.

Esta mensagem não assinada anda a circular nas redes sociais e acho que é importante ser partilhada aqui:


"Caros amigos,

Não somos entidades com nomes sonantes nem peritos em epidemiologia, somos apenas a arraia miúda, médicos que vivem diariamente num Sistema Nacional de Saúde (SNS) que no seu basal já trabalha no limite, e como tal, vemos com apreensão os dias que se avizinham.

Não estamos satisfeitos com o modo como a situação do COVID-19 tem sido conduzida pelas entidades competentes. Na tentativa atendível de não causar pânico, a verdadeira mensagem não está a passar e a nossa perceção é que pessoas fora da área da Saúde acham que o atual cenário “é um exagero”. Compreendemos em plenitude, não fossem tantas as vezes que a comunicação social nos anuncia a catástrofe iminente, que como ao proverbial rapaz os ignoramos quando há mesmo um lobo.

Assim, pretendemos deixar umas notas, que vindas de alguém que conhecem poderão ter o impacto que conferências de imprensa não têm conseguido.

Com base no cenário que vemos em Itália e que começamos a ver em Espanha (e na informação que vai sendo partilhada entre a comunidade médica) consideramos ser necessário dizer e reforçar o seguinte:

1- Mais de 80% das pessoas infetadas com o COVID-19 terão sintomas muito leves, semelhantes a uma simples constipação ou a um síndrome gripal ligeiro. Estes casos podem e devem evitar idas aos Serviços de Urgência. Não o dizemos por capricho! Não há qualquer tratamento a oferecer aos casos ligeiros, não há nada que se possa fazer num hospital que os impeça de agravar (e a vasta maioria não agravarão e passarão por si sós!). Breve, ir ao hospital não vos adiantará nada pessoalmente e pelo contrário porá em risco todos os outros utentes e profissionais.

2- Pelo menos 10% dos casos serão graves o suficiente para causar falta de ar e obrigar a idas ao Hospital. Alguns destes serão graves o suficiente para precisarem de ventilação mecânica (“ficar ligado à máquina”). Apesar de estes casos graves serem maioritariamente pessoas idosas ou com doenças que os fragilizam, também acontecerão casos de pessoas jovens saudáveis (se 0.2% dos jovens afetados precisarem de ventilação, no caso de 10.000 afetados serão 20 jovens em Portugal em estado grave). Nos idosos e pessoas com problemas de saúde, essa percentagem pode chegar aos 15-20%, o que significa potencialmente uma enormidade de doentes graves que o SNS não terá capacidade de assistir da melhor forma, que é o que se vê acontecer em Itália, onde ventiladores estão a ser recusados logo à partida, sem qualquer contemplação, a pessoas com mais de 60 anos.

3- O que podemos fazer? Tentar que em vez de termos 10.000 casos até ao final de Março, tenhamos esses 10.000 casos espalhados no tempo ao longo de 6 meses. Faz muita diferença um hospital ter no mesmo dia 10 pessoas a precisar de ventilador ou

ter 50 pessoas a precisar de ventilador. É simples, não vai haver para todos. Como

podemos atrasar então o surgimento de novos casos? Isolarmo-nos o mais possível. E cada dia conta no atraso que vamos conseguir!

4- Se és dono de uma empresa ou de um escritório considera fechar portas e colocar os funcionários a trabalhar tanto quanto possível de casa. Pensa assim, vais ter que fechar

portas em duas semanas de qualquer forma, com uma grande diferença: salvaste vidas!!

5- Se podes trabalhar de casa, deves absolutamente fazê-lo.

6- Não vás ao ginásio, vai dar uma corrida (não em grupo!) e faz umas flexões em casa. Não vás ao café. Não vás ao restaurante. Escusado será mencionar esse ambiente fresco e arejado que existe em discotecas e bares noturnos. Almoço de fim de semana em casa dos avós? Cancelem. Jantar de anos da Filipa? Não vai dar, a Filipa compreenderá, mais não seja em duas semanas quando perceber a dimensão do problema.

7- As crianças, ao contrário do que se viu escrito em alguns locais, parecem ser bastante contagiosas. Apresentam também muito poucos sintomas quando estão infetadas. Ou seja, devemos evitar o contacto entre as crianças da família e respetivos avós e outros membros mais frágeis. Pelo lado bom e para tranquilizar: tanto quanto sabemos (e já sabemos alguma coisa após tantos milhares de casos pelo Mundo) não há qualquer caso

de doença grave em crianças menores de 10 anos. Os sacanitas são rijos, mas muito contagiosos.

8- A máscara só é útil para quem já está a tossir e espirrar - para pessoas sem sintomas

ajuda pouco. Importante mesmo é lavar as mãos frequentemente e

evitar tocar na cara/boca/olhos. E manter distância social: não há apertos de mão, não há beijinhos e falar de perto é também má ideia (vá, todos conhecemos aquela pessoa que manda muitos “perdigotos”).

9- Não é demais salientar que durante esta época as outras doenças, acidentes e infortúnios vários não vão tirar férias. Continuarão a existir AVCs, ataques cardíacos, outras infeções, acidentes de viação, exatamente na mesma quantidade de antes. Com uma diferença saliente: quando esses doentes graves precisarem de vaga nos cuidados intensivos (que mesmo num dia bom já são insuficientes e difíceis de gerir), podem bem não a ter. A mortalidade do COVID não é só a mortalidade do COVID - com um sistema a trabalhar para lá do limite, todas as outras doenças que já antes matavam, matarão mais.

10- Terminamos com uma nota importante: o pânico é contraproducente. Ninguém tem necessidade de açambarcar setecentos rolos de papel higiénico. A sociedade como a conhecemos não colapsará. Mas isto não é a gripe A, não é a vespa asiática, não é a crise dos combustíveis, não é nenhuma das mais recentes catástrofes sempre anunciadas e felizmente nunca cumpridas. Desta vez é a sério (palavra de escuteiro) e cabe a cada um de nós fazer a sua parte para que seja o menos sério possível."

Sinceramente, tenho receio que o outro lado da moeda do "desenrascanço" tuga, mais conhecido como "chico-espertice", venha ao de cima nesta altura crítica, e por isso mesmo, termos como sentido cívico, responsabilidade, lucidez, foco e serenidade são palavras de ordem nos dias que correm e espero que como comunidade e sociedade consigamos ter maturidade suficiente para não nos deixarmos chegar ao estado em que está a Itália.

Se tivermos tacto e nos mantivermos tranquilos, a coisa irá correr pelo melhor!